Destaques, Relacionamento Comentários (0) |

Traição melhora casamento – é o que essa terapeuta diz

Se aconteceu aquela fatídica pulada de cerca, PODE SER que não dê tão errado assim. Ficou curioso? Ao menos esse é o ponto levantado por vários terapeutas especializados ao redor do mundo: traição melhora casamento e impulsiona o relacionamento.

A diminuição da taxa de divórcios na Europa tem uma forte relação a nova postura de “perdão de infidelidade” apoiada por um grupo de psicólogos de diversos países.

Traição melhora casamento?

Traição melhora casamento - é o que os terapeutas estão afirmando

A terapeuta australiana Matty Silver, especializada em relacionamentos e vida sexual, afirma que o chifre pode tanto machucar quanto ajudar um casal.

“É necessário entender por que aconteceu a infidelidade, nunca como achar um culpado, mas saber como seguir em frente”, conta.

Acontece que a traição irá mostrar para você que existem problemas dentro do relacionamento e, se quer salvá-lo, conseguirá encontrar uma resposta para suas dúvidas.

É sobre saber usar algo errado para construir um novo capítulo da história do casal. Então fica combinado de abolir o termo Corno Manso, viu?

A tolerância da traição

Traição melhora casamento - é o que os terapeutas estão afirmando

Com a descoberta de uma traição é muito comum acontecer uma briga homérica, roteirizada para uma novela das 9. Ainda assim existem outros pontos listados pelos terapeutas que afirmam que traição ajuda os casamentos.

O perdão e a tolerância de um lado, a paciência do outro. Essa é uma das principais maneiras de que ambas as partes consigam conversar.

Tesão x Ternura

O psiquiatra Flávio Gikovate, em evento de divulgação de série da Discovery Home & Health, fala sobre a separação desses dois lados do ser humano.

“Ternura e tesão são coisas diferentes. Por isso a traição sexual e sentimental são coisas diferentes”, define o psiquiatra.

O que deve ser mais pensado é sobre a quebra de confiança e, por sua vez, falha no diálogo. A melhor forma de reconquistar isso é que a amizade e carinho supram uma nova conversa.

Justa toda forma de amor

Traição melhora casamento - é o que os terapeutas estão afirmando

“Consideramos justa toda forma de amor”, já diria a música. Acontece que hoje conhecemos tantos formatos de relacionamento que seriam abomináveis a nem 20 anos atrás.

Talvez se o sexo com outros fala mais forte, seja a hora que consigam discutir sobre os tópicos relacionamento aberto, casas de swing e sexo à três.

Isso é uma apimentada na relação que já tem funcionado muito, justamente o que falamos no artigo “O que é relacionamento aberto e por que está mais comum?“. Dá uma olhada lá.

Concorda com os especialistas ou não? Deixe seu comentário sobre a infidelidade que ajuda.

Veja também

Ver mais

Destaques, Relacionamento, Sexo Comentários (0) |

O que é relacionamento aberto e por que está mais comum?

Nesse ponto do campeonato você provavelmente já deve ter ouvido o que é relacionamento aberto, mas alguns detalhes são bem importantes. Então saiba tudo sobre a modalidade de relação que é mais comum a cada ano.

E não sou eu que estou dizendo, confira até uma pesquisa da Playboy provando esse ponto. Saiba inclusive quantas mulheres e homens tem curiosidade em tentar.

O que é relacionamento aberto?

Em primeiro lugar, não vai ser um monstro de sete cabeças quando é bem conversado. Em resumo, o relacionamento aberto é uma relação que permite envolvimento com outras pessoas – seja sexualmente ou até com sentimental no meio.

O fim da monogamia?

Estamos na primeira geração que o divórcio já é mais aceito socialmente, então as relações mudaram muito. Também é mais comum que relacionamentos sérios, de morar junto, dividir contas e ter filho, aconteçam mais tarde.

Não quer dizer que monogamia esteja no fim, mas ainda assim é interessante notarmos que a forma que vemos as relações tem mudado muito em pouco tempo.

Relações abertas já são comuns?

Dos mais de 1000 entrevistados pela revista Playboy americana, a grande maioria se mostrou interessado em ao menos tentar um relacionamento aberto. E surpreendente não é uma tendência que acontece com os mais novinhos (com 18 anos) ou mais velhos (terceira idade).

Camgirls da CasaHot (GIF: CameraHot)

Na realidade é na faixa etária de 25 a 34 anos dos entrevistados que 10% já estão em um relacionamento aberto. Nessa idade muitos já passaram da fase de só ter interesse em tentar.

Mulheres ou homens querem mais?

A pergunta que não quer calar, mas que você já deve saber a resposta. É sim mais comum que homens estão mais interessados em abrir o relacionamento, com 60% dos caras respondendo sim.

Isso contra 30% das mulheres, mas ainda assim, já é um ótimo número para começarmos. Alguns grupos específicos também se mostraram mais sucessíveis a explorar esse lado, como negros (66%) e LGBTs (75%).

O que vale e o que não vale?

Isso vai exatamente do que é conversado, “o combinado não sai caro”. Quer dizer que ao abrir o relacionamento precisam estar seguros, confiantes e bem resolvidos. Existem inclusive níveis de abertura, seguem exemplos:

  • Flertar;
  • Dançar coladinho;
  • Trocar nudes;
  • Beijar;
  • Transar;
  • Conexões emocionais;
  • Entre várias outras coisas.

Também varia entre os casais que preferem saber de todos detalhes, de forma bem honesta e sem sentimento de posse, ou que simplesmente combinam em não contar as aventuras um para o outro. É sempre algo a se pensar.

Garanto que só isso não matou a curiosidade, então ainda vai ver muito mais artigo sobre relacionamento aberto por aqui!

Leia também

 

 

 

 

Ver mais

Destaques, Relacionamento, Sexo Comentários (0) |

Apimentar a relação: 4 desejos que a maioria das mulheres quer realizar

Às vezes a vida sexual cai um pouco na rotina, daí que rolam vários problemas de relacionamento. Quer apimentar a relação com sua parceira? A gente conta a lista de fetiches mais cobiçados pelas mulheres.

Como apimentar a relação?

Apimentar a relação: 4 desejos que a maioria das mulheres quer realizar

A pesquisa divulgada pela Men’s Health portuguesa que, ao entrevistar diversas mulheres (ou raparigas!), descobriu os fetiches femininos mais inexplorados.

E olha que você pode gostar muito do que a maioria respondeu!

1. Obscenidades 

A maior parte das entrevistadas (81%) contou que gostariam que o parceiro falasse de um jeito mais obsceno durante o ato. Que tal curtir uma dirty talk mais pesada?

Claro, não precisa partir para o mais ousada logo de início, mas vão medindo até achar o ponto ideal.

2. Sem ver nada

Apimentar a relação venda nos olhos

Bem como no 50 Tons de Cinza é explorado, 58% delas contaram que fantasiam em usar venda de olhos para apimentar a relação. É muito comum que sejamos excitados pelo visual, então, ao tirar isso, os outros sentidos são aguçados.

É o momento ideal para você fazer um sexo oral inesquecível, explorar o corpo dela e brincar com as fantasias de BDSM.

3. No controle remoto

Apimentar a relação 4 desejos que a maioria das mulheres quer realizar

Experimente um brinquedo sexual com controle remoto, existem várias opções além do óbvio. Por exemplo, usar o sex toy Nora enquanto estão em uma situação em que ela não possa gemer. E olha que isso 63% das entrevistadas têm curiosidade com o uso desse controle.

Também já existem opções de controle de camgirls, como o HotConnection do CameraHot. Assim você controla bem mais a distância.

4. Um clube diferenciado

Apimentar a relação 4 desejos que a maioria das mulheres quer realizar

É, isso mesmo, elas também têm vontade de conhecer casas noturnas. 70% das mulheres entrevistadas mostrou interesse em frequentar um stripclub.

Como a pesquisa foi realizada pelos gringos, as casas de striptease são mais comuns. Ainda assim você sabe que temos equivalentes brasileiros tão bons quantos. Leva ela lá!

Pronto para ter uma conversa para apimentar a relação? Conte para gente nos comentários o que você mais curtiria.

Veja também

Ver mais

Destaques, Relacionamento Comentários (0) |

O que as mulheres gostam de fazer depois do sexo? A Playboy conta!

A atenção que nós damos no final da transa é bem importante para os nossos relacionamento. Mas o que elas gostam de fazer depois do sexo? A gente conta e ainda damos as melhores recomendações de higiene e saúde.

O que fazer depois do sexo?

O que cada um gosta de fazer?

A mais recente pesquisa da revista Playboy norte-americana procurou saber o que as pessoas gostam de fazer na cama, mas isso não se resumiu só ao momento da transa. O resultado não foi tão surpreendente assim, mas nos deixa atento para outras situações.

O estudo constatou que a preferência das mulheres é trocar carícias (Cuddle), “mulheres amam ficar juntinho depois do sexo”. E enquanto isso os homens entrevistados contaram que preferem assistir televisão junto com ela, conversar ou… ir direto dormir.

Sinceramente, rapaziada. Precisamos agradar mais elas! O blog Santo Papo indica investidas que funcionam após o orgasmo.

  • Beberem algo refrescante ou abrir o apetite com petiscos na cama;
  • Agradar ela com seu humor;
  • Romantismo dosado (dependendo da intimidade);
  • Conversar sobre assunto mais sensíveis;
  • Curtir toques em silêncio (carinhos, massagem).

O que é bom fazer depois da transa?

Para a higienização os especialistas recomendam que seja lavado os genitais ao seu redor, evitando proliferação de bactérias e fungos – o que também previne a contração de Doenças Sexualmente Transmissíveis. Os homens que não são circuncidados devem dar uma leve enxaguada no pênis, puxando a pele do prepúcio. Dê preferência a sabonetes leves.

Urinar pode ser importante para os mesmos motivos. O fato de fazer xixi ser saudável é por conta de eliminar o que ficou preso na uretra, evitando infecção urinária. Ainda mais no caso das mulheres. Calma, Golden Shower só se vocês gostarem!

E se for repetir?

Opaaaaa! Se depois de todo esse momento rolar segundo round, alguns cuidados a mais com higienização são importantes.

Caso tenha rolado sexo anal, a limpeza é ainda mais importante, mesmo que tudo tenha sido bem limpo antes da relação. O canal vaginal é bem sensível, o pênis e a mão que entrarem lá precisam estar caprichados na limpeza. E se rolou qualquer penetração, é bom limpar se o plano é fazerem sexo oral.

Qual o teu segredo para agradar elas após a transa? Conta pra gente nos comentários!

Veja também

Ver mais

Destaques, Relacionamento Comentários (0) |

Depois da separação, como manter uma boa relação com ex?

Em uma recente conversa com meus amigos essa questão apareceu: ser ex-marido e ex-mulher traz uma relação complicada. Também não sabe o que fazer pós-casamento? Separamos 5 dicas para colocar em prática depois da separação.

Entre a história de vocês, brigas catastróficas e uma divisão de bens, ainda são pessoas que se amaram e hoje merecem o melhor um do outro.

Aqui vão as principais dicas dos terapeutas e especialistas em relacionamento.

E depois da separação?Depois da separação, como manter uma boa relação com ex

1. Empatia

Se coloque no lugar dela, sempre. Não faça aquilo que não gostaria que fizesse contigo e também não faça qualquer coisa movido por revanchismo. Isso não é positivo para ninguém.

Para qualquer uma das dicas a seguir, será necessário que exerça a empatia. Ainda mais agora que o espaço para diálogo não é como antes.

2. O que passou, passou

Vocês podem tranquilamente conversar sobre o que aconteceu entre vocês, mas sempre em tom de se resolver. Sem cobranças, sem discussões, sem apontar dedos.

Até porque muitas dos problemas não têm mesmo mais solução. Um lugar neutro, como um café, pode render uma conversa franca.

Apenas não torne um hábito sempre falar sobre passado, ele ficou para trás. Perdoe de verdade ela pelo o que aconteceu; perdoe você mesmo pelo o que fez, faça as pazes com isso.

3. Saber separar as coisas

É quase piada pronta nesse caso, mas nós precisamos saber que existe um pós-vida. Elencamos os principais tópicos que precisam ser separados.

Filhos

Depois da separação, como manter uma boa relação com ex

O bem mais importante, para ambos. Normalmente com filhos é que a situação fica ainda mais delicada. É bom que lembrem de separar a história que vocês tiveram da educação do filho de vocês. Uma coisa é ver ela como ex, outra é ver ela como mãe de seus filhos.

Se a guarda é dela, se faça presente, ligue para eles e mostre preocupação. Divida as tarefas e lazer da melhor forma possível para eles. Se a guarda é sua, deixe ela participar da educação e lembre-se: alienação parental prejudica o desenvolvimento da criança.

Família

Vocês dividiram finais de semana, datas comemorativas e talvez até casa com os familiares uns dos outros. Não existe problema em manter contato com sogros, cunhados e outros parentes dela, é até muito legal quando dosado.

Animal de estimação

Se vocês são do tipo de casal “pais de pet”, isso pode ser uma questão que apareça. Normalmente o animal já tem um dono dentro de casa, por conta de um ter sido dado de presente, maior afeto ou o que for. Nós criamos um carinho pelos animais, se ficar com a outra pessoa ainda poderá receber vídeos ou fazer eventuais visitas.

Amigos

Vocês passaram esse tempo juntos e é muito provável que dividiram amizades. Quando o assunto são os amigos, vocês podem acabar frequentando os mesmos lugares e precisará de maturidade para essas situações. Outro fator é lembrar seus amigos de que não quer ouvir muito sobre ela, se isso for te fazer sentir melhor.

4. Seguir em frente

Sabe aquilo de “desejo que você seja muito feliz”, que seja verdadeiro. E isso, acredite, pode ser até difícil. Para algumas pessoas é complicado ver o outro ter uma vida boa sem que esteja por perto.

O tempo vai passar, vocês vão crescer, mudar e seguir com a vida separadamente. Seja em uma divertida vida de solteiro, em outro relacionamento ou com sucesso profissional – inveja, rancor e ciúmes só irão te atrapalhar.

E, acima de tudo, você precisa seguir em frente. Superar o que aconteceu (deixar para trás) e se permitir ter novas experiências. Desde voltar a fazer algo que gostava muito, conhecer novos lugares e sair com outras pessoas.

5. Distanciamento

De férias com a ex Depois da separação, como manter uma boa relação com ex

Vocês podem ter um relacionamento amigável, mas uma distância saudável fará bem para os dois. Ainda mais saudável se o término foi recente, com o tempo vão entender o espaço que devem ocupar na vida um do outro.

Agora sabe o que fazer depois da separação, temos mais artigos do Resposta de Relacionamento.

Veja também

Ver mais

Destaques, Relacionamento Comentários (0) |

Aquela conversa: Como falar sobre sexo com filhos?

Eita, as perguntas começaram? Então talvez seja a hora de ter um papo mais honesto sobre o universo do sexo. Separamos algumas dicas dos especialistas, saiba como falar sobre sexo com os seus filhos!

Essa hora chegou e não tem problema nenhum!

Educação sexual

Esse é um assunto que se tornou delicado nos últimos tempos, mas que sempre teve muito cuidado por parte de pedagogos. A educação sexual, ao contrário do que alguns acreditam, é feita para preparar os mais jovens para assuntos complexos. Principalmente sobre mudanças do corpo e sobre saúde.

Não, educação sexual não desenvolve sexualidade precoce. As crianças não são influenciadas, mas precisam aprender sobre cuidados de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), perigos do assédio, prevenção da gravidez e fatores da puberdade. Como é o caso feminino de entender o que é a menstruação.

Isso começará a ser discutido da melhor forma pelos educadores, mas como fazer isso ser adaptado para dentro de casa. Bora saber como!

Afinal, como falar sobre sexo com seus filhos?

1. A idade certa

Não existe idade certa para falar sobre sexualidade, mas é uma relação honesta que deve ser construída.  O importante é criar uma ponte onde seu filho conte contigo, tire as dúvidas e não se sinta inseguro.

A educação sexual começa com questões de higiene, cuidados e diferenças, existem livros didáticos indicados para diversas idades. Também saiba o que está sendo discutido na sala de aula.

2. Naturalidade

Sexo é algo natural, isso tanto nós adultos quanto os jovens podem saber. As perguntas vem com o tempo e fazem parte da jornada normal de cada um, você está lá para auxiliar nesse crescimento. E crescer é bom!

Por exemplo, é recomendado que as meninas vão ao ginecologista antes de sua primeira menstruação. Assim passará melhor pelas fases seguintes do corpo dela. Caso tenha filhos do sexo masculino, também podem ser melhor instruídos a partir dos 10 anos sobre as questões da adolescência.

3. O que não é natural

Proteger a criança da parte maldosa de adultos é importante. Ou seja, ela saber diferenciar um “toque do bem” de um “toque do mal”, como indicam os especialistas.

“O toque do bem é aquele beijinho que a mãe dá e que o filho não se sente constrangido em receber. E o toque do mal é tudo aquilo que ele se sente constrangido e é feito por pessoas que pedem para não fazê-lo na frente de ninguém”, indicação da ginecologista Renata Menezes em entrevista para a Revista Claudia.

Que completa: “Essa é uma forma de fortalecer a confiança entre você e seu filho, porque certamente você dirá que ele poderá contar se ele se sentiu invadido em algum momento”.

Fazer com que seu filho entenda que depois do “Não” tudo é invasão de espaço do outro. O respeito com o outro é educação sexual, a empatia também.

4. Nunca é tarde

Se tem filhos mais crescidos e não chegou a ter essa conversa, estabelecer essa ponte é importante.

Em casos de imprevistos como gravidez indesejada, contração de DST, exposição de nudes e situações de assédio, você precisará estar do lado deles.

Mostrar que ele não está sozinho, construir uma nova relação e permitir que seu filho confie em você é muito importante para esse tipo de educação.

Tem alguma dica para falar sobre sexo com filhos? Deixe nos comentários!

Veja também

 

 

 

Ver mais