Nossa primeira postagem da série “Sinais da DST” já vem com tema importante. Ainda mais com o notificado aumento das doenças sexualmente transmissíveis no Brasil. Então, em todos casos, saiba a resposta da pergunta: Peguei sífilis, e agora?

Peguei sífilis, e agora?

Alguns dados da Sífilis

Em dezembro de 2018, o Boletim Epidemiológico de Sífilis apontou o crescimento de número de casos do país. Em dois anos, houve o aumento de 31,8% da sífilis adquirida (não congênita). O relatório é da UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas.

Ainda que os dados apontem maior incidência da doença em mulheres, na faixa etária de 20 e 29 anos, ainda é muito expressivo o número de homens infectados.

Como é transmitida?

Causada pela bactéria Treponema pallidum, ela pode ser transmitida pela pessoa infectada em relação sexual e gestações.

Sintomas?

Após o contágio, o infectado apresentará pequenas feridas (cancro duro) nos órgãos sexuais e ínguas nas virilhas (como caroços). Isso pode surgir entre 7 e 20 dias após o sexo sem proteção.

As feridas não contém pus, não apresentam coceira nem ardência. Caso não aja tratamento, tende a desenvolver e se espalhar para várias partes do corpo.

Em casos mais sérios, feridas podem sumir na terceira fase (3 a 12 anos da transmissão), e causar danos maiores. Incluindo paralisia, cegueira, surdez, doenças de ossos, coração e cérebro.

Como é o tratamento?

Pra começar, a sífilis é uma infecção curável. O teste é distribuído gratuitamente pela rede pública de saúde. O mais rápido possível, tratamento conta com penicilina benzatina em doses intervaladas. Quem quer que tenham sido parceiros sexuais devem passar por teste.

Como é prevenção?

Para se prevenir, a única forma possível é o uso de preservativos nas relações sexuais.

Para ver mais matérias como essa, leia o Hora do Homem Saúde!

Deixe seu comentário aqui
Gostou? Compartilhe com os seus amigos!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin