Eu nunca fui a pessoa mais baladeira, sou quieto e discreto entre meus amigos. Mas uma boa festa às vezes não faz mal, até por conta da minha bem resolvida solterisse.

Ainda assim, o rolê daquela sexta-feira é o que sempre me tira da cama quando lembro. “Quem sabe eu tenho a mesma sorte”, penso.

Se toda festa fosse assim, eu seria o homem mais satisfeito de todos.

Conto Erótico Baile Funk: A morena do camarote

Naquele dia meu melhor amigo me ligou, insistindo para eu acompanhar ele em uma das festas mensais de uma balada do Rio de Janeiro. A temática era justo pra levar à pista o funk carioca que já tá cada dia mais em alta.

Chegando lá, já me impressionei com a variedade. Só na fila já estava lotado de mulheres de shortinho, desses modelos novos, todas muito gostosas. Era um paraíso de bunda e coxa que qualquer homem ficaria doido.

Em poucas horas de festa, com o grave batendo e as danças sensuais, foi quando eu vi ela. No camarote VIP, uma morena perfeitamente iluminada que se destacava das outras.

Ela tinha cabelo liso e grande, as curvas que só a natureza brasileira explica e cada peça de roupa valorizada.

Um shorts rosa que mostrava a polpa da bunda, um top branco que mostrava os peitos e as joias que balançavam em cada movimento. E que movimentos, ela era do tipo profissional. Em cada música tinha uma rebolada única, descendo até o chão e quicando direitinho.

Mas acima de tudo, de qualquer um da pista, ela olhava diretamente pra mim. Quando meu amigo reparou, já me puxou para eu não babar mais.

– Cara, aquela é a Vanessa! O segurança disse que quando ela pega um cara ‘pra Cristo’, é pra passar o resto do ano saciado.

Eu só concordei, e continuava embasbacado. A deusa inacessível rebolava olhando no meu olho, provocando.

Até que ele me puxou pro bar, convidando para tomar uma dose. Foi eu virar do copo e olhar para o lado, a Vanessa tava ali. Um sorriso de canto, um chamado para a malícia.

– Opa, já desceu? – perguntei com bom humor. E ela riu.

– Eu nunca te vi por aqui – disse ela, apoiando um pé em um enfeite do balcão – mas gostei da primeira impressão.

Não tinha mais muito papo que eu podia puxar. Então fui pro arriscado.

– Você é a Vanessa então – pela reação vi o estranhamento.

– Sou a Vanessa??? Já imagino o que você ouviu falar sobre mim – ela gargalha.

Antes de eu soltar uma risada constrangida, a boca dela já estava na minha. E aí, brother, eu tava no paraíso. O beijo, o perfume, o corpo volumoso junto ao meu.

E pra aproveitar mais ela me puxou para dentro de uma sala, logo ao lado do bar. Era um depósito dos funcionários que, pelo jeito, ela já conhecia bem.

Eu tirei o top dela, com os peitos durinhos na minha mão. A safada curtiu, gostou quando tomei conta de toda atitude dela. Daí fiz meu jogo também. Chupei os mamilos dela enquanto ela se jogava em uma mesa.

Abaixou o shorts pra mim e eu tava pronto para chupar aquela buceta deliciosa. Ela tava molhadinha, e gemia enquanto a música da festa estava abafada.

Eu não aguentei, tirei o pau para fora e meti. Segurando aquela cinturinha fina.

– Não é que o branquelo sabe o que faz? – disse sorrindo.

Conto Erótico: A morena do baile funk

Meti com força na mina mais gostosa do mundo, fui até o fim. A mesa rangia a cada forçada, o cheiro de suor e putaria tomou conta do lugar.

Insaciável ela me jogou para uma cadeira ali perto, empurrando meu peito.

Ali mesmo que ela fez a sua arte, sentou no meu pau de um jeito que você só vê as atrizes mais safadas fazendo. Aquela raba batendo na minha coxa, ela gemendo e eu sem palavras.

Conto Erótico Baile Funk: A morena que rebolava no camarote

Rebolava muito, agradando cada parte do meu pau que latejava. A gostosa sabia o que fazia e deixou eu estocar mais.

– Eu to perto de gozar – avisei.

Ela entendeu o pedido.

Saiu de cima, passando uma coxa depois a outra e ficando de joelho. Segurou o mastro e chupou até o fim, com aquela boca carnuda não tinha como aguentar. Era irresistível.

Conto Erótico Baile Funk: A morena que rebolava no camarote

Esporrei naquela boquinha, foram jatos e jatos, muito mais do que o de sempre. Era tudo que queria e ela engoliu cada ml de porra. O último pingo que escorreu, Vanessa deu uma lambida me olhando.

– A fama precede? – disse antes de levantar, com um sorriso de menina.

– Oooooh se precede, Vanessa – enquanto juntávamos as roupas do chão.

– E qual é o seu nome, branquelo? Já pode voltar mais pra cá – convidou.

Desde então meu interesse pela vida de solteiro nunca foi a mesma. Pra minha morena eu sempre podia voltar.

Veja também

Deixe seu comentário aqui
Gostou? Compartilhe com os seus amigos!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin