O Airbnb virou referência para as empresas de tecnologia, justo por revolucionar como nos hospedamos das mais diversas formas. Mas pode ser considerado um aplicativo de motel?

Veja o que a plataforma, os seus anfitriões e usuários pensam sobre hospedagens para sexo.

Airbnb virou aplicativo de motel?

Ainda não existe uma resposta tão certeira, mas os usuários tem pressa quando o assunto é saciar a vontade.

Os anfitriões que são contra

Você pode ter um pouco de tato para perceber quem são os usuários que não gostarão de ter a casa transformada em um motel. Isso normalmente acontece com anfitriões que liberam apenas hospedagens de, no mínimo, duas noites.

É importante sempre dar uma olhada nas regras do anfitrião. Por exemplo, existem proprietários que são contra que você receba convidados se ele não for avisado. Então se levar alguém que conheceu em uma festa ou no Tinder, isso pode te dar alguma multa e (em casos mais graves) bloqueio da plataforma.

O que o Airbnb pensa

Ainda assim, a plataforma traz um guia bem completo de diretrizes e o pouco que podemos relacionar à sexo é sobre “danos no apartamento”.

Segundo um representante para o Elite Daily menos de 0,01% das hospedagens teve esse problema, entre as 30 milhões que foram listadas em 2016.

A hospedagem está mudando

Segundo o Port News, de Portland nos Estados Unidos, os donos de motéis já estão notando a diminuição das reservas, muito por conta pelo preço.

“O Conselho vem aqui e faz inspeções regulares, precisamos de saúde e segurança, seguros e assim por diante”, a não-regulamentação dos Airbnbs se torna um prejuízo para as redes hoteleiras.

Airbnb como bordel

Enquanto alguns ainda relutam, outros já apostam para hospedagem somente para sexo. A BBC mostrou um esquema de bordéis que fechava um Airbnb por alguns meses, em uma rede de prostituição mais nômade.

A prostituta Charlotte contou à reportagem sobre seu próprio processo com o Airbnb, “Passo dois ou três dias aqui e ali. Construí uma base de clientes em diferentes regiões do país. Olha, na verdade estou alugando um apartamento, assim como faria em um hotel. Desde que deixe o imóvel do jeito em que encontrei, não vejo problema”.

Os lugares mais usados

Uma pesquisa com mais de 1000 usuários da plataforma mostra que 53,9% admitem transar durante uma hospedagem. Não somente nos quartos, chuveiros e sofás – 7,1% ainda conta que faz sexo na cozinha.

É muito difícil que alguém instaure uma regra de “Sem sexo”, ou pior, “Sem sexo na minha pia”. Então só tome os devidos cuidados.

Transar sem sujeira

Os anfitriões do Airbnb não possuem o mesmo serviço de limpeza que um motel tem, mas tudo é questão de bom senso. A regra é exatamente um ciclo: devemos respeitar o próximo hóspede, assim como gostaríamos que o anterior tivesse nos respeitado.

Então deixamos algumas etiquetas que os usuários do Reddit deixaram.

  • Tem como levar um lençol? Não vai arrancar um pedaço.
  • Dê o destino devido para preservativos, com nó e na lixeira.
  • Se quer transar em algum móvel ou no sofá, também pode pensar em colocar um lençol ou coberta.
  • Lubrificantes, esperma e qualquer tipo de sujeira que pode restar pós-transa, lembre de limpar.
  • Quando o anfitrião está na casa e você só alugou o quarto, prefira um sexo sem barulhos.

Afinal, não é tão difícil ter bom senso.

Conta aí, já teve uma experiência sexual no Airbnb? Deixe nos comentários e continue lendo mais artigos sobre Motéis no Hora do Homem, em parceria com o site de camgirls CameraHot.

Veja também

Deixe seu comentário aqui
Gostou? Compartilhe com os seus amigos!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin